Rio de Janeiro
27 abr a 24 jun
Brasília
04 out a 04 nov
Belo Horizonte
16 jul a 01 set
São Paulo
15 out a 15 dez
25°07’ N | 55°08’ L

ILHA ARTIFICIAL PALMEIRA JUMEIRAH, DUBAI, EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

Há 50 anos, Dubai tinha algumas casas de adobe, um mercado e um porto acessível aos boutres (pequenos barcos árabes à vela) que navegavam pelo golfo Pérsico e pelo mar de Omã. Enriquecido graças ao petróleo dos emirados vizinhos, esse Estado orientou sua economia para o turismo e se lançou num programa de construção de ilhas artificiais. Em forma de palmeira, Palm Jumeirah é a menor das três ilhas sendo preparadas. Um semicírculo de 11 km é ligado à extremidade da palmeira por um túnel submarino. Esse semicírculo, que acolhe palácios e hoteis de luxo, cerca uma gigantesca palmeira de areia composta de um tronco de 2km, ligado ao continente por uma ponte a partir da qual se abrem 17 palmeiras destinadas às casas. Começado em 2001, esse canteiro custou quase 12 bilhões de dólares, e hoje está quase terminado apesar da crise financeira que em 2009 quase levou os Emirados à falência. Quase 94 milhões de metros cúbicos de areia foram drenados do fundo do mar para criar a ilha, e 40.000 pessoas participaram da sua realização. Essa proeza técnica, realizada graças ao trabalho de engenheiros holandeses especializados na construção na água, não teria sido possível sem o emprego em massa de uma mão de obra “importada”. Dubai conta com 1,8 milhão de habitantes, dos quais 80% são trabalhadores imigrantes e mal pagos. Nessa cidade-Estado não democrática, onde os sindicatos são proibidos, e mais ainda nos Emirados Árabes Unidos, as condições de trabalho são qualificadas de “sub-humanas” pela associação Human Rights Watch.


Entre 1992 e 2010, o Produto Interior Bruto (PIB) mundial, que é um meio de medir o crescimento econômico, cresceu em 75 %. Mas em valor absoluto, as diferenças de riqueza entre os países aumentaram em 20 % entre 1990 e 2005.
Fonte: Banco Mundial